domingo, 29 de junho de 2014

Podemos recuperar a energia da digitação para manter nossos computadores ligados? - GIZMODO

Por: 
27 de junho de 2014 às 15:48


Passamos horas e horas dos nossos dias apertando teclas na frente de um computador – então quanto de energia poderíamos criar se pudéssemos recuperar apenas um pouco do que gastamos?
Em primeiro lugar, vale ressaltar que nem todos os sistemas de recuperação de energia funcionam: alguns, como a travagem regenerativa, funcionam; enquanto outros nem tanto. Randall Munroe, do XKCD, checou alguns números para descobrir se a digitação pode fornecer energia para seu laptop apenas com as teclas sendo pressionadas.
Um estudo reconhece que são necessários cerca de 1,5 milijoules para pressionar uma tecla de letra, e 2,5 para uma tecla maior, como enter ou barra de espaço. Ótimo! Mas quanto é um milijoule? Munroe explica:
É o suficiente para aquecer uma gota d’água em 1% de um grau. Também é o bastante para levantar um esquilo de 300 mícrons – desde o chão até o topo de uma pilha de quatro folhas de papel.
Certo. Mas e se você digitar um monte de palavras? Bem, um romance médio contém entre meio milhão e um milhão de caracteres; digite todos eles, e você consegue gerar um kilojoule. E se você reescrever várias vezes, esse número pode chegar a 2 ou 3 quilojoules. Estamos chegando em algum lugar, certo? Bem, não. Munroe coloca isso em contexto:
Escrever um romance completo forneceria energia para rodar um laptop por um total de 15 segundos. Se cada romance demorar seis meses para ser escrito, você gastará um segundo de cada milhão rodando a partir da energia do teclado. Isso economizaria menos de um centavo em eletricidade… Para manter um laptop rodando só com digitação, você precisaria digitar um romance inteiro a cada dez segundos.
É. O melhor é continuar usando as formas tradicionais para manter seu computador ligado.
Imagem via Steve Petrucelli sob licença Creative Commons.
Texto e imagem extraídos do site GIZMODO.
http://gizmodo.uol.com.br/recuperar-energia-digitacao/

Nenhum comentário:

Postar um comentário