sábado, 9 de julho de 2016

Drones ajudam na Construção Civil e Inspeção de Infraestruturas

Publicado por: Indústria Hoje
Escrito por: Tamires Almeida em 8/jul/2016

Revendo os conceitos das abordagens competitivas tradicionais iremos explanar algumas oportunidades e os principais desafios colocados por essa tecnologia nesta área tão significativa na economia brasileira.

Indústria Hoje- Curso de Drones



Ao contrário do que já acontece há algum tempo na Agricultura de Precisão, onde as aeronaves tripuladas e orientadas por satélite já são realidade e estão facilmente disponíveis aos produtores. Na construção  civil e nas inspeções profissionais historicamente haviam poucas opções. Até pouco tempo o processo de planejamento de construção e documentação era 100% manual. Contratar helicópteros ou aviões para tirar imagens aéreas era demasiado caro ou logisticamente inviável devido às restrições de espaço aéreo. Então chegaram os pequenos drones, ou multirrotores particulares, que apareceram aos montes e quando bem operados e devidamente legalizados podem voar com segurança em altitudes mais baixas e bem mais próximos dos objetos, bem diferente do modelo anterior.



No mundo da inspeção os drones proporcionam um custo muito mais baixo para o serviço. A grande vantagem é o trabalho realizado com 100% de segurança, que evita o uso de profissionais qualificados em rapel, utilizando cordas, escadas, andaimes ou até caminhões caçamba. Para o seu conhecimento, uma inspeção tradicional (com cordas) de acesso a um parque eólico pode envolver dois ou três trabalhadores que precisam de pelo menos metade de um dia para começar o trabalho para conseguir produzir uma série de fotos para um relatório. Esse serviço hoje pode custar entre R$ 5 mil a R$ 8 mil, e para uma melhor conservação deve ser feita a cada 12 ou no máximo 18 meses. Tudo isso sem contar os custos de desligar as turbinas por pelo menos metade de um dia. Já com os drones é bem diferente.

Existem muitos outros exemplos dos benefícios que os drones podem oferecer comparados às abordagens tradicionais. Márcio Régis Galvão, proprietário da Dron Drones Imagens Aéreas, empresa especialista em inspeções de grandes estruturas e torres de energia eólica, concluiu recentemente seu estudo sobre os benefícios do uso de drones para inspecionar estradas e pontes no Brasil, especialmente no Nordeste. O empresário e estudioso do mercado dos drones estimou que uma inspeção padrão de uma ponte custa em torno de R$ 25 mil, leva de oito a dez horas, utiliza uma equipe de quatro pessoas e equipamentos pesados. A mesma inspeção com um drone precisa de apenas duas pessoas e é realizada em apenas duas horas e a um custo significativamente mais baixo.

Ainda em seu estudo o empresário Márcio Galvão resume que estão sendo desenvolvidos projetos para a construção de drones em centenas de empresas por todo o mundo e não apenas para uso na construção civil, mas também para fins de gerenciamento de ativos de infraestruturas. “A Dron Drones Imagens Aéreas consegue explorar os principais pontos do projeto de acordo com a expectativa de vida útil da edificação e dos materiais comumente usados na concepção, construção, operação e demolição. Em estruturas altas onde pessoas não podem acessar, os VANTs são mais recomendados. Com câmeras fotográficas e de vídeo em alta resolução, eles utilizam vários sensores de captação de informação. Um deles é o sensor termal é utilizado na inspeção de equipamentos e estruturas. Caso o operador detecte pontos com excesso de calor, ele pode tomar uma ação corretiva para sanar algum possível defeito”.

Ainda não existem dados precisos de quantos empresas de imagens aéreas operam dentro da construção civil no país mas Márcio Galvão acredita no potencial econômico do negócio.

O mercado para esse novo serviço está avançando e tende a ser cada vez mais surpreendente, por se tratar de uma tecnologia inovadora e que traz inúmeros benefícios. Não há dúvidas que esta tecnologia será uma das mais empregadas no mapeamento e monitoramento de obras na engenharia e construção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário