terça-feira, 2 de maio de 2017

Playground no Líbano colabora para o desenvolvimento de crianças sírias refugiadas


POR: GIOVANNA GHELLER FOTOS: RONAN GLYNN

Edição 264 - Março/2016


A crise de refugiados sírios já é a maior dos últimos 25 anos, segundo a Agência da ONU para Refugiados (UNHCR). Milhões de pessoas tiveram de abandonar seus lares e tentar sobreviver em terras hostis, inóspitas ou mesmo muito distantes. Desse número, mais de um milhão está localizado no Líbano, país adjacente, e desse milhão, acima de 600 mil são crianças. Foram as necessidades dos refugiados e, principalmente, a preocupação com o desenvolvimento das crianças que motivou o estúdio de design sem fins lucrativos CatalyticAction a criar o playground Ibtasem, na cidade libanesa de Bar Elias.
O desenho do projeto questiona a definição e a necessidade de playgrounds em situações de reação emergencial, e surge como uma resposta à detectada falta de um espaço saudável e seguro em que as crianças possam crescer, desenvolver-se e brincar. "Um espaço que simplesmente as permita serem crianças", como diz a equipe do CatalyticAction.
O Ibtasem, que, em uma transliteração do árabe quer dizer "sorriso/ sorrir", foi feito de modo a ser uma estação fácil de montar, de desmontar e de se mover, o que é importante para o status temporário dos sírios no Líbano, já que pode ser facilmente levado com eles quando de volta à sua terra.
Trata-se de uma estrutura modular de madeira composta por compensado, materiais reciclados como caixotes vegetais e pneus, peças de aço, cordas, tinta, terra, cascalho e concreto. Os módulos são desenvolvidos para, no centro, acomodar uma atividade de basquete e/ou futebol, que podem fazer parte de aulas de educação física, e contêm balanças, paredes de escalada, um escorregador e outros espaços para atividades, relaxamento e ensino.
A diferença é que o significado do playground não se limita a seus pilares - além da presença de balanças e escorregadores para brincar, o próprio processo de elaboração do brinquedo se tornou um momento de exploração e de descoberta para as crianças, que, estimuladas a opinar sobre suas expectativas e ideias, adquiriram um senso de posse e comprometimento com aquele espaço. Mesmo depois de finalizada a construção, os pequenos seguiram adaptando o uso do playground como bem entenderam, a exemplo de alguns pneus, a priori desenhados como assentos, que passaram a ser usados como cavalinhos de brinquedo. "Brincar é o que as crianças fazem de melhor, então imagine usar a brincadeira em práticas de design como uma ferramenta empoderadora para comunidades", diz o escritório.
O playground foi construído em agosto de 2015 e está localizado dentro da escola Nahreya, que provê educação para crianças sírias refugiadas na cidade. O programa educacional do colégio é atualmente coordenado pelo Serviço de Refugiados Jesuítas (JRS) do país em colaboração com a fundação Kayany, que também foi responsável pela entrega do espaço em parceria com o Centro para Engajamento Cívico e Serviço Comunitário (CCECS) da Universidade Americana de Beirute e com o Ministério de Assuntos Sociais (Mosa, na sigla em inglês). Para viabilizar o projeto, o estúdio de design criou uma campanha virtual de financiamento colaborativo que superou em mais de 100% as expectativas de arrecadação.
A construção foi feita por voluntários de um workshop internacional de design e construção promovido pela Universidade Americana de Beirute, junto com os membros do estúdio, os professores da escola, os vizinhos, as crianças e seus pais. O projeto piloto, segundo o CatalyticAction, age como um catalisador. Agora a ONG trabalha na ampliação do projeto e desenha playgrounds em outras escolas Kaynay no Vale de Beqaa. Também está trabalhando com a ONG Jusoor para desenhar playgrounds em dois de seus centros educacionais no país, e recentemente houve o interesse de desenvolver um protótipo semelhante em países europeus como Grécia, Alemanha, Reino Unido e França.

Nenhum comentário:

Postar um comentário