sábado, 28 de novembro de 2015

Especial Armazenar o vento: Bateria Orgânica

Por Redação do Site Inovação Tecnológica -  

Armazenar o vento: Bateria Orgânica
O primeiro protótipo é pequeno, mas sua robustez (10.000 ciclos) entusiasmou a equipe a construir uma versão maior.[Imagem: Anne Guenther/FSU]

    Bateria orgânica
Uma equipe de pesquisadores da Universidade Friedrich Schiller de Jena, na Alemanha, desenvolveu um sistema que usa polímeros orgânicos e uma solução salina inofensiva para armazenar energia.
O sistema é voltado para o armazenamento temporário de fontes intermitentes de energia, como a solar e a eólica, que geram energia demais num momento, e de menos em outro.
"O que é novo e inovador na nossa bateria é que ela pode ser fabricada a um custo muito menor, e quase atinge a capacidade dos sistemas tradicionais que usam ácidos e metais," disse o professor Martin Hager, coordenador da equipe.
Durante um longo tempo, as baterias de fluxo - também conhecidas como sistemas redox - foram desenvolvidas utilizando o metal vanádio dissolvido em ácido sulfúrico como eletrólito. Ocorre que o vanádio é extremamente caro, e o ácido sulfúrico altamente corrosivo.
Bateria redox sem ácidos
Nesta bateria redox construída pela equipe alemã, são utilizados materiais sintéticos. A estrutura central lembra o isopor (poliestireno), no qual grupos funcionais foram adicionados para permitir que o material aceite ou doe elétrons.
Os polímeros literalmente "nadam" em uma solução aquosa, sem necessidade de ácidos agressivos.
"Assim, conseguimos usar uma membrana de celulose simples e barata e evitar materiais tóxicos e caros," disse Tobias Janoschka, principal projetista do sistema.
Nos primeiros testes, a bateria redox de fluxo suportou 10.000 ciclos de carga e descarga com uma perda mínima de capacidade.
A densidade de energia do protótipo chegou a 10 Watts-hora por litro. A equipe afirma já estar trabalhando em uma versão maior e mais eficiente.

Bibliografia:

An aqueous, polymer-based redox-flow battery using non-corrosive, safe, and low-cost materials
Tobias Janoschka, Norbert Martin, Udo Martin, Christian Friebe, Sabine Morgenstern, Hannes Hiller, Martin D. Hager, Ulrich S. Schubert
Nature
Vol.: 527, 78-81
DOI: 10.1038/nature15746

Nenhum comentário:

Postar um comentário