sexta-feira, 9 de setembro de 2016

CSA testa projeto para eliminar emissão de gases na siderurgia

Publicado por: Indústria Hoje
Escrito por: Tamires Almeida em 8/set/2016

Se aprovada, a tecnologia servirá não só ao setor siderúrgico, mas para qualquer indústria, disse Werner Riederer.

gases-poluentes

Compartilhe:Share via FacebookShare via LinkedInShare via TwitterShare via GoogleShare via Email
gases-poluentes

A Thyssenkrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), em parceria com a Unicamp e a Innovatus, vai investir R$ 10 milhões no desenvolvimento de um projeto que pode eliminar quase integralmente as emissões de gases de efeito estufa de sua usina termelétrica, no Rio de Janeiro. Desse total, a empresa entrará com R$ 1,6 milhão, com recursos do programa de pesquisa e desenvolvimento (P&D) firmado com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e o restante será desembolsado pelo BNDES, por meio do Fundo Tecnológico (Funtec). O projeto terá duração de três anos.

O projeto consiste em testes de laboratório e no desenvolvimento de um protótipo pré-industrial de uma tecnologia inovadora que utiliza micro-ondas e cerâmica para quebrar moléculas de dióxido de carbono, transformando o em oxigênio. Simples e ao mesmo tempo com potencial revolucionário, a tecnologia foi desenvolvida e patenteada pela Innovatus, uma startup brasileira sediada na incubadora de empresas da Prefeitura de Campinas (Ciatec).

A pesquisa sobre o assunto, denominada “pirólise de gases por cerâmica condutora e micro-ondas” rendeu ao inventor, o bioquímico e pesquisador Marcos Aurélio Machado, o prêmio Finep de Inovação e o prêmio da World Intellectual Property Organization (Wipo). Na prática, o dispositivo pode substituir com vantagens os filtros atualmente utilizados para a pirólise, que fazem a combustão em chamas e a emissão de gases do efeito estufa.

“Se conseguirmos realmente resolver o problema das emissões, teremos um negócio desenvolvido no Brasil com abrangência global”, diz José Lavaquial, sócio-proprietário da Hubz, companhia de investimentos em pequenas empresas de inovação do país e que adquiriu participação na Innovatus.

Desde 2010, a Hubz já captou R$ 140 milhões para projetos de P&D e inovação no país. A estratégia da empresa é unir startups a um centro de pesquisa e uma grande companhia, para validar o projeto em desenvolvimento. Segundo Lavaquial, se o projeto na TKCSA for bem sucedido, será feito um estudo de viabilidade técnica e econômica para avaliar o custo e a competitividade da tecnologia.

Se o projeto tiver êxito, a tecnologia poderá ser adotada em outras unidades do grupo ThyssenKrupp. “Se aprovada, a tecnologia servirá não só ao setor siderúrgico, mas para qualquer indústria”, disse Werner Riederer, gerente de eficiência energética da TKCSA.

As informações são do site Portos e Navios 

Nenhum comentário:

Postar um comentário